.comment-link {margin-left:.6em;}

Novas aventuras em mim (menor)

Aventuras em mim (menor)? Escrever é aventura, é incógnita. Viagem de dedos por sonhos, desejos, fantasias, pequenas e grandes coisas sobre mim e o mundo à minha volta. Desejo de partilha, também. De sentimentos, emoções, momentos, vivências, silêncios até. Quanto ao “menor”, é uma brincadeira, um pequeno trocadilho com a nota musical Mi menor. É, também, uma medida da minha humildade, da consciência brutal das minhas limitações como escriba.

04 agosto 2006

Caminhos e andarilhos...

Férias!...

Tempo de liberdade, saboroso regresso às aventuras e medos da infância, como se mergulhássemos de cabeça num livro aos quadradinhos, onde tudo é possível...

Photobucket - Video and Image Hosting

Há muito que me roubaram – não sei quem! – esse livro da minha biblioteca. Prisioneiro de mim, refém de um corpo que já quase não me obedece, tento livrar-me da ânsia, do desejo de percorrer estes caminhos banhados pelo Sol da madrugada. Não consigo! É demasiado forte o apelo da terra, do vento nos cabelos, do suor a pingar-me para os olhos, das aves que se me cruzam no caminho, das árvores frondosas a derramarem-se em sombras sobre os passos cansados, do mosaico colorido das culturas e aromas, dos bosques prenhes de mistério e sedução. Uma outra forma de cantar a maresia, as ondas que me desfalecem aos pés e os enterram na areia húmida, crianças construtoras de castelos e sonhos, o Sol a vestir o pijama, as gaivotas e os veleiros cruzando-se no horizonte...

Os meus voos, aqueles que as minhas asas me permitem, são mais modestos. A fria A8 à porta de casa e que me despeja, de sopetão, numa casota de madeira entre pinheiros, no Baleal. O cenário parece paradisíaco... Até podia ser, não fosse esse ninho um entre dezenas e dezenas, num labirinto de ruas sem nome nem norte do qual a natureza quase foi obrigada a fugir a sete pés. Restam, como disse, pinheiros esparsos a entremear o encanto das casitas e das vidas que lhes dão vida. Por sorte, o meu alpendre debruça-se sobre floresta virgem, um pedaço de terra que os donos resolveram deixar em revigorante pousio a inflamar-me a imaginação. É por isso que, entre livros e revistas, o portátil verá as férias adiadas!

Ah!, é verdade: espero que este pequeno texto seja uma barrela naquelas almas menos propícias aos encantos do futebol...

Boas férias! Fiquem bem. Vemo-nos por aí...

5 Comments:

Anonymous ines lima said...

...aqui está o meu livrinho, fica com ele o tempo que precisares!!! :D

sexta-feira, 04 agosto, 2006  
Anonymous Susana said...

obrigada por teres trocado os relvados pelos bosques.
boas férias.

sexta-feira, 04 agosto, 2006  
Blogger missixty2000 said...

repito o que disse a outra susana!O futebol também não me seduz muito!Agora este texto sim e também o seu autor !
beijos e boas férias
quero beijoca no meu blog!

sexta-feira, 04 agosto, 2006  
Anonymous Anónimo said...

Boas férias Jorge

E lembra-te que a verdadeira felicidade encontramo-la em nós próprios. E já agora...não esqueças o futebol deste blog pois o sol quando nasce deve nascer para todos e o teu blog deve ser isso mesmo, um sol que nasce para todos e para ti mesmo. Para mim continua a ser um paõzinho quente de ideias servido ao pequeno almoço.
Boas férias

segunda-feira, 07 agosto, 2006  
Blogger João Heitor said...

Mais do que o tamanho do texto, é a profundidade da mensagem e do sentir do Jorge...
Abraço

terça-feira, 15 agosto, 2006  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home